Laser

Dra Heloisa G. A. Campos

A palavra LASER é formada pelas iniciais do termo Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation, ou seja, Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. É um equipamento que produz um feixe de luz com características muito especiais: monocromática (frequência definida), coerente (relações de fase bem definidas) e colimada (propaga-se como um feixe). (Wikipédia)
Cada aparelho de LASER atua conforme as especificações técnicas de fabricação.


Dye Laser

No Dye Laser ou laser de corante, o meio ativo é liquido e produz um raio laser que tem seletividade e é absorvido apenas pela cor vermelha/vinho.

O tratamento como este equipamento provoca a redução do fluxo sanguíneo dos vasos, por foto-termohemólise, que resulta na coagulação sanguínea e posterior desaparecimento do capilares tratados. A absorção do raio laser é seletiva, ou seja, a pele e as outras estruturas não absorvem e não sofrem o efeito do laser. Apenas o alvo que desejamos tratar, ou seja, os capilares sanguíneos do hemangioma são afetados para resultar no desaparecimento desejado dos mesmos, deixando intactas as células da pele.

O Dye Laser é o equipamento mais eficiente e mais seguro para tratamento dos hemangiomas e de outras lesões vasculares de pele e mucosa.

Para garantir a segurança e a eficiência do tratamento, o equipamento de Dye Laser deve ter um dispositivo automático acoplado para resfriamento da pele durante a aplicação do laser.

São sessões a cada 4 ou 8 semanas, o intervalo entre as sessões deve ser determinado pela especialista, conforme as características de cada lesão.

Não é possível precisar o número de sessões necessárias para o tratamento de cada paciente e nem mesmo a porcentagem de melhora máxima que poderá ser alcançada. A resposta ao laser depende de fatores que favorecem ou dificultam a atuação do laser. Os fatores mais relevantes relacionados ao paciente são idade, cor da pele, localização e profundidade da lesão. O tratamento na infância resulta em uma maior porcentagem de resposta de que na idade adulta. O cor da pele interfere na resposta ao tratamento porque a melanina da pele pode absorver e sofrer a atuação do laser. Da mesma forma, não é adequado tratar uma pele bronzeada. A localização na face responde melhor o tratamento enquanto as localizadas nas pernas e pés obtém a menor resposta. As lesões superficiais cutâneas respondem melhor do que as profundas.

Os fatores de resposta ao laser relacionados ao hemangioma são a densidade, o diâmetro e o fluxo dos capilares que compõem a lesão. Estes não são mensuráveis clinicamente e a resposta ao tratamento fica na dependência da constatação clinica da melhora.

Outros tipos de laser podem ser utilizados no tratamento das lesões vasculares cutâneas como o Laser Alexandrita, mas devem ser empregados por profissionais experientes para não causar danos.

Por outro lado, a escolha do aparelho e os parâmetros a serem usados para cada paciente é fundamental para o sucesso do tratamento e é responsabilidade do médico especialista.

De maneira geral, podemos dizer que o Dye Laser é o equipamento recomendado por especialistas na área para tratamento dos Hemangiomas Planos.

Também tratamos com sessões de Dye Laser o componente superficial dos Hemangiomas Fragiformes, Tuberosos, Cavernosos e também as vesículas vinhosas cutâneas observadas nos Linfangiomas.


Dra. Heloisa G. A. Campos
Cirurgiã Pediátrica - Especialista no tratamento de Hemangiomas e Linfangiomas
Titular do Departamento de Cirurgia Reparadora - Hospital A. C. Camargo - São Paulo

Desenvolvido por InWeb Internet